quarta-feira, abril 15, 2015

Ac. Viseu FC 0-0 FC Porto B

Estádio do Fontelo, 15 de abril de 2015
39ª Jornada da Liga 2
Árbitro: Jorge Ferreira (Braga)

Ac. Viseu: Ruca; João Amorim, Tiago Gonçalves, Eridson e Dalbert (Ricardo Ferreira, 63); Alex Porto, Clayton (Tiago Costa, 76) e André Sousa; Tiago Almeida, Luisinho e Tiago Borges (Sandro Lima, 69). Treinador: Ricardo Chéu.

Porto B: Gudiño: Vitor Garcia, José António, Diego Carlos e Rafa; Podstawski (João Graça, 85), Francisco Ramos e Pavloski (Pité, 76); Frederic, Roniel (Tony Djim, 53) e André Silva. Treinador: Luís Castro.

Expulsão: Tiago Gonçalves 73

Académico de Viseu e FC Porto B empataram esta qquarta-feira 0-0, em jogo da 39.ª jornada da 2.ª Liga marcado pela falta de eficácia viseense e também da boa exibição de Raúl Godiño na baliza portista.

Entrou melhor no jogo a formação orientada por Ricardo Chéu, com um futebol rápido e muito pressionante nas acções defensivas, criando muitas dificuldades à construção de jogo dos portistas.
Só um punhado de intervenções de grande qualidade de Raúl Godiño permitiram ao FC Porto B não sofrer na primeira parte do jogo, na qual os comandados de Luís Castro apenas por uma vez, aos 15 minutos, conseguiram uma situação perigosa para a baliza de Ruca, que hoje fez a estreia na baliza do Académico de Viseu.

Por seu turno, Tiago Almeida e Luisinho tiveram claras oportunidades de marcar, mas não conseguiram bater o guarda-redes mexicano do FC Porto B.
No segundo tempo, o jogo foi mais equilibrado, embora os viseenses continuassem melhor e a terem as melhores oportunidades. Logo aos 48 minutos, André Sousa cabeceou fora do alcance de Godiño, mas a bola saiu junto ao poste.

Ao minuto 73, surgiu a melhor oportunidade para o FC Porto B, mas Ruca respondeu com a defesa do jogo.


Na sequência do lance, o árbitro Jorge Ferreira expulsou Tiago Gonçalves, por palavras do capitão academista, mas nem em superioridade numérica o FC Porto B conseguiu inverter a tendência do jogo, no qual, até final, o Académico de Viseu continuou superior, mas sem conseguir marcar.


In Record

Notas aos jogadores (atribuídas pelo jornal Record e aceites por nós para a eleição de jogador do mês/jogador do ano)Ruca (3), João Amorim (3), Tiago Gonçalves (2), Eridson  (3), Dalbert (4), Ricardo Ferreira(2); Alex Porto (3), Clayton (3), Tiago Costa(2), André Sousa (4), Tiago Almeida (3), Luisinho (4), Tiago Borges (4), Sandro Lima (2)

1 comentários:

Paulo Teixeira disse...

Empate muito injusto mas o que fica é o resultado e este foi conseguido muito por «culpa» de um tal de Gudiño que já na primeira volta fez uma exibição de outro mundo a de ontem não foi tão igual a essa mas que contribuiu para o nulo verificado lá isso foi verdade.
É curioso que em 39 jogos do Académico 13 o guarda-redes adversário é considerado o melhor em campo, não está lá para outra coisa é certo mas parece que os gr adversários fazem a exibição da vida deles contra o Académico engatam talvez seja o termo mais apropriado.
Estamos a um miseravel ponto dos tais 50 mas perante os resultados verificados ontem das equipas do fundo da tabela podemos afirmar que teoricamente o objectivo da epoca está conseguido, temos 13 pontos de diferença para com o 22º estão 21 pontos em jogo matematicamente ainda não é possivel dizer que o Académico já se safou mas para não acontecer isso teriam de suceder algumas coisas dificeis ou quase impossiveis de acontecer, tais como derrotas do Académico nos 7 jogos que faltam e outras tantas vitórias do Atletico ou Maritimo nesses jogos que o que me parece um pouco dificil de acontecer, pois quem teve 39 jogos para mostrar o que vale não é em 7 que se salva.
Temos de ter muito orgulho nesta equipa, se calhar não correspondeu as expectativas de muitos mas não esqueçamos que para esta epoca tivemos de fazer um plantel quase novo face ás saídas verificadas no final da epoca passada e olhando para os jogadores que o compõem não podemos pedir o sol e a lua, este plantel é manifestamente mais fraco que o da epoca passada, mas compreende-se esta mudança, se tivessemos mais apoios financeiros, se tivessemos mais sócios podiamos andar por outras paragens mas temos de nos sentir orgulhosos com o que temos foi aquilo que a direcção achou melhor para o clube e temos e devemos estar do lado de quem comanda pois já mostrou nas mais variadas situações que só querem o melhor para o clube.
Ricardo Cheu trouxe uma lufada de ar fresco á equipa, pegou num plantel que caía para o abismo e injectou mais qualidade e afastou alguma discrença que alguns jogadores denotavam a equipa começou a jogar um futebol mais apoiado e mais apelativo e os bons resultados começaram a aparecer não com a cadência que todos nós queriamos mas isso deve-se á situação que já descrevi acima, esta equipa não tem nada a ver com a do ano passado, mas já nos deliciámos com algumas exibições bem conseguidas, não sou hipócrita fui um dos que contestou o regresso do Cheu mas a partir do momento que ele vestiu a camisola sagrada temos de apoiar e deixar de guerrilhas, guardemos essas forças para contrariar os nossos adversários.
Domingo temos mais um jogo complicado e por varias situações a viagem, a qualidade do adversário mas estava no calendário temos de jogar e acreditar em mais uma vitória, temos valor para issso já tenho saudades de ganhar fora!

Paulo Teixeira sócio 752

quinta-feira, 16 abril, 2015