Jogador do mês. Luisinho

Nome: Luís Miguel Pinheiro Andrade “Luisinho
Data de nascimento: 27/03/1990
Posição: Médio/avançado





Números da época
Jogos: 10
Suplente utilizado: 1
Luisinho é para os editores de A MAGIA DO FUTEBOL o melhor jogador academista no mês que agora termina, ele que foi considerado o melhor em campo no jogo com o Oliveira de Frades. Luisinho terminou o mês com 9 pontos mais meio ponto que Baio e Nuno.
Ler Texto Completo

Pedido de ajuda...



Hoje fomos confrontados com um pedido de ajuda que muito nos sensibilizou. O Armindo Tavares faleceu no passado dia 10 de Outubro, na Inglaterra, mas a familia só soube do sucedido, nos ultimos dias.

Acontece que se o corpo não fôr rapidamente transladado para Portugal, a cerimónia fúnebre vai ter de se realizar na Inglaterra, contra a vontade dos seus familiares, que se debatem neste momento com dificuldades financeiras para a transladação do corpo.

O Armindo merece que cada um de nós dê um pequeno contributo, para ser enterrado na sua terra natal.

O Armindo, foi atleta do Académico de Viseu, e dos Ribeirinhos, em atletismo. Estava radicado na Inglaterra há uns anos, tinha 2 blogues na internet, onde recorda as suas raizes e a sua cidade natal, e era um seguidor atento da Magia do Futebol.
Ler Texto Completo

Recordar: Caldas 0-2 Ac. Viseu

Campo da Mata, 29 de Novembro de 1987

10ª Jornada da II Divisão, Zona Centro

Árbitro: José Martinho (Porto)

Caldas: Rui Silva; Pica, Rui Dias, Albano (Chico 83) e Manarte; Eco, Zequinha, Sepas (Pinho 71) e Amaury; Cunha e Santos. Treinador: José Domingos.

Ac. Viseu: Sardinha; Morgado, Rui Manuel, Carlos Manuel e Kappa; Quim, Abel, Crz (John Bubu 83) e Rui Madeira; João Luís (Baptista 89) e Leal. Treinador: Carlos Alhinho.

Golos: João Luís 59 (0-1), Abel 87 (0-2)

Sem contestação: Os locais não têm que se queixar de nada nem de ninguém a não ser deles próprios, pois até uma grande penalidade se deram ao luxo de falhar, tendo sido, no entanto, durante a primeira parte, a equipa que mais se acercou das redes contrárias, mas isso não é o suficiente para vencer, já que é também necessário rematar e saber fazê-lo.
Os viseenses na etapa complementar foram nitidamente superiores mostrando um trato de bola muito bom, que confundiu os donos do terreno, que não souberam anular esse ascendente, nomeadamente a linha defensiva que não poderá estar isenta nos golos sofridos.
A vitória dos visitantes não pode nem deve sofrer qualquer contestação.
O árbitro esteve bem, ainda que tenha errado na marcação da grande penalidade."
Manuel Anacleto, in A Bola, 30 de Novembro de 1987
Ler Texto Completo

Baio, o agitador!

Baio (3) – O melhor do Académico. Fez o golo do empate, enviou uma bola ao poste e foi o verdadeiro agitador do jogo academista. Funcionou como “arma secreta”.

Nuno (3) – Teve a sua quota-parte de culpa no golo sofrido mas, tirando isso, deu sempre grande confiança à sua defesa e mostrou-se corajoso e arrojado a sair dos postes.

Marco Almeida (2,5) – Longe de ter feito um jogo extraordinário – ninguém o fez – o Marco acabou por estar bem. Pena os seus cruzamentos não terem saído com precisão.

Calico (2,5) – Não teve uma actuação negativa mas mostrou-se demasiado complicativo e algo desconcentrado.

Tiago Gonçalves (2,5) – Uns furos acima do seu colega de sector.

Casal (2) – Exibição muito apagada. Não é nem nunca será lateral esquerdo. Para quando a inclusão no meio campo?

Álvaro (3) – Curiosamente cresceu de produção na segunda parte, numa altura em que o meio campo defensivo era seu e só seu. Aí foi um gigante!

Ricardo Ferreira (2,5) – Falhou a grande penalidade. Falhar calha a todos. Estou, no entanto, convencido que RF não se sente orgulhoso pela maneira denunciada com que partiu para a bola. A primeira parte foi para esquecer mas subiu muito de produção na segunda parte a jogar a defesa esquerdo.

João Paulo (2) – Muito apagado e algo perdido em campo. Tem qualidade para muito mais.

Rui Santos (2,5) – Temos o mágico de regresso em breve? Parece-me que a resposta é afirmativa. Enviou uma bola ao poste e entregou-se de uma forma muito assertiva ao jogo. E sinais da lesão? Levou uma “traulitada” do Sérgio e recompôs-se de seguida.

Luisinho (2,5) – Foi quem sofreu a falta que deu origem à grande penalidade desperdiçada por Ricardo Ferreira. Sempre de braço no ar a pedir a bola Luisinho não se escondeu.

Bacari (2) – Luta interessantíssima com Sérgio, luta essa que perdeu invariavelmente.

Hélder Rodrigues (2,5) – Só a grande qualidade existente nas alas academistas é que explica o facto de ser suplente. Ele e Baio mexeram com o jogo do Académico.

Dede (1,5) – Mais um a entrar para o centro de ataque mas acabou a fechar no meio campo.

Ler Texto Completo

SC Penalva do Castelo 1-1 Ac.Viseu FC

Parque Desportivo de Sant´Ana, 27 de Novembro de 2011

10ª Jornada da III Divisão, Série C

Árbitro: Luís Ramos (Viseu)

Penalva do Castelo: Vareiro, Nélson, Sérgio, Diogo Sousa, Califo, Gamarra, Bruno Loureiro, Mika (Reuss, 77), Mateus (Chico Pereira, 65), Papy (Bernardo, 80) e Luís Cardoso. Treinador: Totá.

Ac. Viseu: Nuno; Marco Almeida, Calico, Tiago Gonçalves e Casal (Baio, int); Álvaro, João Paulo (Hélder Rodrigues, int) e Ricardo Ferreira; Luisinho, Rui Santos (Dede, 80) e Bacari. Treinador: António Lima Pereira.

Golos: Luís Cardoso 8 (1-0), Baio 83 (1-1)

Não é fácil passar para palavras os sentimentos que nos invadem, quando vemos um jogo como de hoje. Desilusão e gratidão talvez sejam esses os sentimentos certos.
A grande surpresa no onze academista, se é que podemos chamar de surpresa, foi a inclusão de Rui Santos que regressou, assim, à condição de titular muito tempo depois.
O primeiro sinal de relativo perigo, foi dado pelo ex academista Mateus mas, na jogada seguinte, Vareiro (que esteve à experiência no Académico de Viseu no início da época) travou em falta Luisinho, dentro da grande área, lance que deu grande penalidade que teve tanto de justa como de desnecessária. Aos 4 minutos o Académico podia inaugurar o marcador mas Ricardo Ferreira denunciou tanto o remate que fez com que Vareiro passasse de vilão a herói. Balde água bem gelada nas aspirações academistas.
Pouco depois, aos 8 minutos ou por lá perto, o Penalva do Castelo chegou ao golo. Um golo onde ninguém da defesa academista, incluindo o guarda redes, ficou bem na fotografia; cruzamento à vontade da esquerda, buraco no centro da defensiva, Nuno até chocou com Casal, e Luís Cardoso de cabeça fez o um a zero para o Penalva.
È a partir daqui que o cronista fica desiludido. Pelo erro defensivo? Também, mas não só. Desiludido sobretudo porque o Académico, como o resultado lhe impunha, não pegou no jogo, não empurrou o adversário para o seu meio campo defensivo, porque o mostrou uma gritante falta de atitude e também uma gritante falta de ideias. Dou o exemplo Luisinho, o homem ainda a esta hora deve estar com dores nos braços de tanto pedir a bola no flanco esquerdo, mas o Académico apenas afunilava o jogo com passes e decisões sem grande sentido.
Apesar disso tudo foi o Académico a equipa a estar mais perto do golo na primeira parte. Naquela que, para mim, foi a melhor jogada do desafio, Rui Santos (parece estar a regressar) atirou ao ferro da baliza de Vareiro. Ao intervalo: Penalva 1-0 Ac. Viseu.
Tinha que mudar o Académico para a segunda parte. E Mudou, para muito melhor! Saíram os apagadíssimos Casal e João Paulo e entraram Hélder Rodrigues e Baio. Ricardo Ferreira desceu para defesa esquerdo (na minha opinião a melhor opção para esse lugar já que Jorge pelos vistos não conta), Baio juntou-se a Bacari na frente de ataque, Luisinho numa ponta, Hélder Rodrigues na outra e o meio campo entregue a Álvaro e Rui Santos.
È aqui que entra o sentimento de gratidão. Em toda a segunda parte, mesmo com uma ou outra má decisão, todos os jogadores academistas lutaram, esforçaram-se e deram o litro. Lutaram contra uma defesa muito bem liderada pelo eterno Sérgio (que traulitada que ele deu no RS10) e lutaram contra o anti jogo caseiro.
Dou dois exemplos desse anti jogo. Primeiro Califa, caiu bem perto da lateral e pareceu fulminado por um raio, contorceu-se com muitas dores, tantas dores que nem deu para se arrastar 5 centímetros para fora das 4 linhas. Assim que chegou fora do campo… ressuscitou! Depois Luís Cardoso; este magoou-se mesmo no nariz e ficou a queixar-se fora do terreno de jogo. Pediu assistência aí? Qual quê… entrou de novo para o campo e mandou-se para o chão.
Mas voltemos ao jogo ao fim e ao cabo o que mais interessa. E aí, no campo, o Académico foi dono e senhor do jogo até ao minuto 83. Faltou nessa altura algum discernimento para tomar as melhores atitudes e faltou sorte quando, pouco depois do minuto 60, Baio correspondeu com uma cabeçada ao poste a um cruzamento de Hélder Rodrigues.
Entretanto já com Dede em campo (saiu Rui Santos) o Penalva podia mesmo ter chegado ao 2-0 se Califo não tivesse desperdiçado uma grande penalidade. O certo é que se escreveu direito sobre linhas tortas, pois Nuno não fez penalty, a única coisa que houve foi um salto magnífico para o chão, um salto que faria corar de vergonha o Nélson Évora.
Aqui repetiu-se o que se passou na primeira parte. Não marcou o Penalva de penalty, marcou o Académico pouco depois. Livre de Álvaro do lado direito e cabeça fulminante de Baio a dar o empate.
A partir daí assistiu-se à melhor fase do encontro. O Académico e o Penalva quiseram o golo da vitória. Baio baixou para defesa esquerdo, Ricardo Ferreira e Dede fecharam no meio campo. Houve bola lá e bola cá, houve vontade de finalmente dar verdadeiro espectáculo. Mas já era tarde para isso.

Nota final: a bancada do Parque de Santana estava lotada. No estádio os academistas estavam em grande maioria. Viu-se no golo mas não se viu no decorrer da partida. Da bancada poucos gritos de incentivo vinham. Foi pena…

José Carlos Ferreira, sócio 525 do Académico de Viseu
Ler Texto Completo

Recordar: Ac. Viseu 0-0 U. Tomar


Estádio do Fontelo 27 de Novembro de 1977
9ª Jornada da II Divisão, Zona Centro
Árbitro: Armando Paraty (Porto)

Ac. Viseu: Maia; Pelezinho, Braga, Gomes e Penteado (Eduardo); Chico Santos, Pedro Paulo e Renato; Basto, Rodrigo (Adelino) e Albasini. Treinador: José Moniz.

União de Tomar: Segorbe; Graça (Branco), Varela, Faustino e Sarmento; Alcino, Barrinha e Simões; Florival, Camolas e Pinto (Caetano).

Keyta e Toyobe – lesionados – fizeram muita falta ao ataque academista que não conseguiu desfeitear a bem organizada defesa nabantina. Um revés na caminhada academista para a I Divisão.
Ler Texto Completo

Antevisão 10ª jornada: SC Penalva do Castelo x Ac.Viseu FC




Depois de uma pausa no campeonato, o Académico tem um teste de fogo no terreno do líder Penalva do Castelo. Vai ser o reencontro destes dois prestigiantes emblemas do distrito, depois de algum tempo de ausência de confrontos. O último encontro no Parque Desportivo Sant’Ana foi registado na época 2004/2005 (última época CAF) com vitória 0-2 para os comandados de Rui Bento.


Para esta jornada, os academistas podem até assumir a liderança, em caso de vitória e se a restante conjugação de resultados for favorável. Não será fácil, o Penalva ainda não tinha conhecido o sabor da derrota até à pretérita jornada (0-1 na receção à Sanjoanense). Tem 5 vitórias (Bustelo, Valecambrense, Canas, Sampedrense, Alba) e 3 empates (O.Hospital, Nogueirense e O.Frades), o que perfaz os 18 pontos suficientes para ser o líder isolado desta série C. Os comandados de Lima Pereira, quererão, certamente, aproveitar este jogo para ultrapassar os “rivais” na tabela. Força Académico!


Árbitro do encontro:
Luís Ramos, AF Viseu

Domingo
, 27 de Novembro pelas 15 horas

Parque Desportivo Sant’Ana
- Penalva do Castelo
Ler Texto Completo

Recordar: Amora 2 - 0 Ac. Viseu


Campo da Medideira, 25 de Novembro de 1980
10ª Jornada da I Divisão
Árbitro: Silva Pereira (Porto)

Amora: Jorge; Rebelo, Figueiredo, José Mendes e Hélder; Arnaldo, Narciso (Manuel Fernandes, 23) e Pereirinha (Coutinho, 75); Jorge, Pinto e Francisco Mário.

Ac. Viseu: José Pereira; José Manuel, Emanuel, Simões e Sobreiro; Moreira, Rodrigo (c) e Inaldo; Vinagre (Baltasar, 68), Gerúsio e Ramalho (Flávio, int). Treinador: José Moniz

Golos: Jorge 28 (1-0), Jorge 57 (2-0)
Ler Texto Completo

Recordar: Atlético 3-2 Ac. Viseu

Estádio da Tapadinha, 25 de Novembro de 19873ª Eliminatória da Taça de Portugal (desempate)
Árbitro: António Jorge (Setúbal)

Atlético: Lapa; Jorge Oliveira, César Vaz, Quaresma e Jeremias; Portela; Calhau (Raul José 71), Jesus e Martins; Carraça e Gerúsio (Alberto 86). Treinador: Fernando Peres.

Ac. Viseu: Sardinha; Morgado, Leal, Carlos Manuel e Kappa; John Bubu, Rui Madeira, Cruz (c) (João Luís 31), Abel e Hélder (Quim, 45); Amadeu. Treinador: Carlos Alhinho.

Golos: Portela 18 (1-0), João Luís 54 (1-1), Portela 98 (2-1), Portela 106 gp (3-1), João Luís 113 (2-2)
Ler Texto Completo

Jogo Treino: Ac.Viseu FC 3-2 GD Tourizense

O Académico recebeu a equipa do Tourizense para um jogo-treino, e venceu por 3-2. A formação de Touriz (Tábua) que milita na 2ª Divisão, este ano compete na série Sul. Os golos academistas foram marcados por Ricardo, Rui Santos (por sinal, um chapéu de belo efeito) e H.Rodrigues.
Que seja um bom pronuncio para o jogo de domingo frente ao líder Penalva do Castelo.


Força Académico!
Ler Texto Completo

Torneio Internacional Serra da Estrela (93/94)

Em Cima: Campinas, Zé de Angola, Moustapha, Nilson, Arsénio e Zé Miguel
Em baixo: João Luís, Ali Hassan, Sérgio, Besirovic e Luís Vouzela

Em preparação para a época 93/94 – o Académico de Viseu tinha subido da II B, para a Honra – o CAF deslocou-se à Covilhã para participar no Torneio Internacional Serra da Estrela. Além do Académico participou também a equipa da casa – Sporting da Covilhã – os seus rivais do distrito (Benfica de Castelo Branco) e a equipa do Salamanca. Nas meias-finais (foto) o Ac. Viseu jogou, e perdeu, com o Salamanca.

Árbitro: Rosário Fernandes (Castelo Branco)

Ac. Viseu: José Miguel; Campinas, Nilton, Moustapha e Sérgio; Ali Hassan, Luís Vouzela e Besirovic; João Luís, Zé de Angola e Arsénio.

Salamanca: Javi; Sito, Jandri, Rodolfo e Balta; Sukunza, Carlos e Medina; Kiko, Pollo e Josema.

Jogaram ainda: Rui Lage, Zezinho, Chalana e Zé Maria (Ac. Viseu), Velissa, Bárbaro, José António, Igoa e Fabian (Salamanca)

Golo: Kiko 3 (0-1)

Com a derrota, frente ao Salamanca, o Académico de Viseu disputou o 3º e 4º lugar com o Benfica de Castelo Branco que perdeu com o Sporting da Covilhã por 3-1. Os academistas venceram então os albicastrenses e ficaram com a terceira posição.

Árbitro: Rui Aleixo (Castelo Branco)

Ac. Viseu: José Miguel; Rogério, Nilson, Moustapha e Sérgio; Ali Hassan, Luís Vouzela, Besirovic e João Luís; Zé de Angola e Quim.

BC Branco: Goris; Pacheco, Bruno Nunes, João Armando e Miguel Vaz; Paulo Brites, Vivaldo, Quim Zé e Dito; Zujic e Luís Filipe.

Jogaram ainda: Arsénio, Chalana, Paulo Fernando, Rui Lage e Mauro (Ac. Viseu), Pedro Paulo, Marcão, Kikas, Bruno Fernandes e Dimov (BC Branco)

Golos: Mauro 51 (1-0), Moustapha 65 (2-0)

De referir que o vencedor do torneio foi o Salamanca que venceu na final o Sporting da Covilhã (2-0).

Ler Texto Completo

Recordar: Ac. Viseu 2-2 Atlético

Estádio Municipal do Fontelo, 22 de Novembro de 11987

2ª Eliminatória da Taça de Portugal

Árbitro: Américo Santos (Porto)

Ac. Viseu: Sardinha; Morgado, Rui Manuel (Quim, 63), Carlos Manuel e Kappa; Hélder (John Bubu 91), Abel e Cruz; Rui Madeira, Amadeu e Leal. Treinador: Carlos Alhinho.

Atlético: Lapa; Oliveira, Tito, César Vaz e Jeremias; Portela, Calhau (Alberto 82) e Martins; Jesus, Gerúsio (Raul José 77) e Carraça.

Golos: Martins 6 (0-1), Hélder 10 (1-1), Jesus 55 (1-2), Rui Madeira 72 (2-2)

Partida equilibrada: Assistiu-se, no tempo regulamentar, a uma partida bastante emotiva e equilibrada com um ligeiro ascendente dos viseenses, mas, em contraste, foraam os forasteiros que se adiantaram no marcador.
No prolongamento, os academistas pressionaram mais, criaram diversas oportunidades em que os seus dianteiros desperdiçaram, mas, curiosamente a derradeira e mais flagrante pertenceu aos alcantarenses Raul José, que, a um minuto do final, isolado frente a Sardinha permitiu a defesa deste.
Fraca arbitragem
Carlos Costa in A Bola 23/11/1987
Ler Texto Completo

Recordar: U. Santarém 1-2 Ac. Viseu

Campo Chão das Padeiras, 20 de Novembro de 1977

8ª Jornada da II Divisão, Zona Centro

Árbitro: José Luís Tavares (Setúbal)

União de Santarém: Mouro; Pelarigo, Rogério, Conceição e Galveias; Egídio (Albano, 80), Horácio, Margal e Baptista; Vicente (Pedro, 69) e José Luís.

Ac. Viseu: Maia; Pelezinho, Braga, Gomes e Penteado; Chico Santos, Pedro Paulo e Keita (Basto, 55); Tayobe (Eduardo, 75), Rodrigo e Albasini. Treinador: José Moniz.

Golos: Tayobe 42 (0-1), José Luís 52 (1-1), Rodrigo 72 (1-2)

Mais uma grande “caravana” de academistas (expressão usada no jornal Record) viajou até Santarém para ver nova vitória academista. Foi um jogo muito complicado para o Académico de Viseu mas saiu da cidade escalabitana com os dois pontos. O guarda-redes Maia foi muito elogiado nos jornais consultados: Record e A Bola.

Ler Texto Completo

Curiosidades: onde estão os ex. Academistas 2010/2011?

P.Freitas (Melidense – distrital de Setúbal)

Sérgio (Morais – distrital de Bragança)

Jonas (Cinfães - 2ª Divisão)

Fábio (Viseu e Benfica - distrital de Viseu)

Mateus (Penalva - 3ª Divisão)

Everson (Al Sharja – Emiratos Árabes Unidos)

Luís Miguel (Terras do Bouro - distrital de Braga)

Zé Bastos (Alba - 3ª Divisão)

Pedro Costa (Sertanense - 2ª Divisão)

Ler Texto Completo

Recordar: Ac. Viseu 2-0 U. Almeirim

Estádio do Fontelo, 15 de Novembro de 1987

9ª Jornada da II Divisão, Zona Centro

Árbitro: Adão Mendes (Braga)

Ac. Viseu: Sardinha; Morgado, Rui Manuel, Carlos Manuel e Kafá; Delgado (Rui Madeira, 89), Abel e Cruz; Quim, João Luís (Amadeu, 45) e Leal. Treinador: Carlos Alinho.

União de Almeirim: Carlos Dias; Agostinho (Pedro Honório, 45), Pita, Paris e Canhoto; Manuel Franco (Nogueira, 65), Mário João e Adérito; Costa, Eduardo e Júlio. Treinador: ?

Golos: Quim 37 (1-0), Leal 81 (2-0)

“O deficiente trabalho do árbitro, principalmente pelas muitas injustificadas interrupções assinaladas, contribuiu em parte, para o fraco nível técnico deste jogo que foi sempre controlado pelos locais, apesar da forte oposição defensiva dos forasteiros com Carlos Dias muito operacional e a evitar maior dilatação da justa vitória dos visienses.
Mesmo a perder nunca a turma visitante, embora o tentasse, conseguiu tirar partido da ténue reacção que esboçou no sentido de virar o resultado pois as fracas investidas que os seus dianteiros isoladamente empreenderam, nunca tiveram o apoio necessário para levar de vencida o bem escalonado reduto defensivo academista. Carlos Costa in A Bola de 16 de Novembro de 1987
Dúvidas: Quem era o treinador do União de Almeirim? O jornal refere o Academista Kafá, será Kappa?
Ler Texto Completo

AC Alba 0-0 Ac. Viseu FC

Num jogo inevitavelmente marcado pelo reencontro com o ex.artilheiro academista Zé Bastos, o empate a zero golos foi o resultado verificado em Oliveira do Bairro (casa emprestada do Alba). Um resultado que, apesar de tudo, e face à derrota caseira do Penalva do Castelo, coloca o Académico a dois pontos da liderança. Por outro lado, fomos ultrapassados por a equipa do Avanca e alcançados pela formação do Bustelo, sem dúvida, os vencedores da jornada.


Estádio Municipal de Oliveira do Bairro, 13 de Novembro de 2011
9ª Jornada da III Divisão, Série C
Árbitro: Marco Mendes (Leiria)
Alba: Luís, Ribeiro, Bruno, Nené, Praga, Eduardo (Tiago, 70), Pedro Almeida, Sucena, Alex, Nélson (Tojó, 80) e Zé Bastos. Treinador: Óscar Mendes.
Ac. Viseu: Nuno; Marco Almeida, Calico, Tiago Gonçalves e Casal; Filipe, João Paulo (Rui Santos, 82) e Ricardo Ferreira; Baio (Hélder Rodrigues, 75), Luisinho (Álvaro, 90+2) e Bacari. Treinador: António Lima Pereira.

Tendo em conta as emissoras 96.8 e 93.0, foi possível descortinar que o empate se ajusta para o que se verificou dentro das quatro linhas. Se o Alba esteve ligeiramente superior no 1º tempo, com duas boas oportunidades de golo para Bastogol, já o Académico melhorou na etapa complementar, principalmente após a entrada de H.Rodrigues, que obrigou Luis a uma das defesas da tarde. Perto do final, o Alba atirou à barra da baliza de Nuno, que fez uma exibição segura na baliza academista. Um dos comentadores, destacou ainda a exibição bastante boa de Calico. De referir, naquela que foi uma das decisões mais polémicas da partida (fora-de-jogo mal tirado ao ataque do Académico), o treinador Lima Pereira recebeu ordem de expulsão.

Com este empate, o Académico desceu para a 4ª posição na tabela classificativa, mas está apenas a 2 pontos do líder Penalva, curiosamente o nosso próximo adversário (daqui a 15 dias – para a semana não há jogos da 3ª nacional).

Outros resultados:
Penalva do Castelo 0-1 Sanjoanense
Valecambrense 1-1 Nogueirense
O.Frades 1-2 Bustelo
Avanca 4-1 Sampedrense
O.Hospital 4-0 Canas de Senhorim

Classificação geral:
1º Penalva do Castelo 18 pontos
2º Avanca 17 pontos
3º Nogueirense 16 pontos
4º Ac. Viseu 16 pontos
5º Bustelo 16 pontos
6º Alba 15 pontos
7º Sanjoanense 14 pontos

2,5 – Nuno, Marco Almeida, Calico, Tiago Gonçalves, Casal, Filipe, João Paulo, Ricardo Ferreira, Baio, Luisinho e Bacari.
1,5 – Rui Santos e Hélder Rodrigues
0,5 - Álvaro
Ler Texto Completo

Recordar: Paio Pires 0-1 Ac. Viseu


Campo Vale da Abelha, 12 de Novembro de 1977

Taça de Portugal

Árbitro: Augusto Bailão (Lisboa)

Paio Pires: Andrade; Pestana, Dias, Valério e Horta; João Manuel I, Gaifão e Chora; Quim, João Manuel II e Roseta.

Ac. Viseu: Maia; Pelezinho, Braga, Gomes e Penteado, Chico Santos (Baptista, 30), Pedro Paulo (Basto, 80) e Keita; Tayobe, Rodrigo e Albasini. Treinador: José Moniz.

Golo: Rodrigo 40 (0-1)

Em 77/78 o Paio Pires (AF Setúbal) jogava na III Divisão (foi 11º classificado) mas foi um osso bem duro de roer para os academistas. A vitória do CAF não sofreu qualquer contestação mas a cerimónia na hora de atirar à baliza deu uma vitória escassa mas suficiente para o Académico seguir em frente. De realçar que o Record (foto) deu o golo a Rodrigo enquanto A Bola dizia que era autogolo. A MAGIA DO FUTEBOL atribui o golo a Rodrigo.

Ler Texto Completo

Olha quem é ele!

Ler Texto Completo

Antevisão 9ª jornada: SC Alba x Ac.Viseu FC



Depois de mais uma vitória alcançada, a 3ª consecutiva, os comandados de Lima Pereira entram num ciclo difícil, com três jogos com equipas que se encontram no topo da tabela classificativa. O próximo adversário é o Alba. Um jogo que irá marcar, inevitavelmente, o reencontro com o “nosso” Zé Bastos. A formação de Albergaria-a-Velha ocupa o 5º posto, a um ponto dos academistas, fruto de 14 pontos alcançados em 4 vitórias (Avanca, Valecambrense, O.Hospital e O.Frades) e 2 empates (Nogueirense e Sanjoanense). Foi ainda derrotada por duas ocasiões contra duas equipas do nosso distrito (na recepção ao Sampedrense e, na ultima ronda, frente ao líder Penalva). Algo que pode servir de tónico para o nosso clube. Tal como o facto de o Alba jogar em casa emprestada (o jogo será em O.Bairro), poderá ser igualmente explorado pelos viseenses. Outro factor interessante, será relativo ao Alba ser a melhor defesa da competição, 5 golos sofridos até à data, contrastando com o facto do Académico de Viseu ter um ataque ameaçador, principalmente após o regresso de alguns jogadores influentes (7 golos nos últimos 3 jogos). Força Académico!

Árbitro: Sr. Marco Gomes, AF Leiria

Domingo, dia 13 de Novembro, pelas 15 horas

Estádio CAMPO S. SEBASTIÃO (Relvado Sintético) - OLIVEIRA DO BAIRRO
Ler Texto Completo

Recordar: Ac. Viseu 1 - 1 Portimonense



Estádio do Fontelo, 11 de Novembro de 1980
9ª Jornada da I Divisão
Árbitro: Joaquim Gonçalves (Porto)
Ac. Viseu: José Pereira; José Manuel, Emanuel, Simões e Sobreiro; Águas (Moreira, 87), Rodrigo (c) e Inaldo; Flávio, Gerúsio e Borga (Baltasar, 81). Treinador: José Moniz.
Portimonense: Conhé; Rodrigo Dias, João Cardoso, Guilherme e Murça; Valter, Vítor Gomes (c) (Rachão, 87), Quaresma e Peter; Paulo Campos e Amaral (Guilherme, 65).
Golos: Gerúsio 22 (1-0), Peter 30 (1-1)
Ler Texto Completo

Luisinho, destacou-se.

Luisinho ( 4 ) - Foi o jogador que mais se destacou no jogo. É um extremo puro, daqueles que dá gosto ver jogar, daqueles que faz voltar o tempo atrás e relembrar o futebol prático em vez do futebol calculista e táctico, e que dá muito jeito a qualquer treinador.

Nuno ( 3 ) - Não teve um jogo complicado, mas ainda teve 2 saidas aparatosas a cruzamentos do adversário. Quando o Nuno sai da baliza, é bom que os colegas e adversários se desviem, porque aquela zona é toda dele! Ainda viu um adversário chutar a bola para dentro da sua baliza mas o árbitro já tinha assinalado fora de jogo.

Marco Almeida ( 3 ) - No ultimo desafio em casa, assumiu mais protagonismo e foi mesmo o homem do jogo, mas neste jogo tinha o Luisinho como seu colega de "corredor". Cumpriu o que se espera dele, jogou a defesa direito, e apenas subiu no terreno nas poucas vezes em que o seu companheiro era Baio.

Calico ( 3 ) - Jogo tranquilo do central academista. A equipa forasteira, deu mais trabalho na segunda parte, mas sempre sem grande perigo.

Tiago Gonçalves ( 3 ) - Jogo sem sobressaltos, e sem perigo criado pelo adversário. Muita tranquilidade!

Casal ( 3 ) - A sua oportunidade de titularidade pode ser mesmo o lado esquerdo da defesa, uma vez que na direita há mais opções. A sua experiência, contribuiu para um jogo bastante calmo.

Álvaro ( 3 ) - Pareceu-me mais solto, e uns furos acima dos ultimos jogos. Os passes em profundidade sairam mais colocados e pareceu-me mais influente no meio campo. Os resultados e a motivação dos ultimos jogos estão a dar frutos.

João Paulo ( 3 ) - Esperamos mais do João Paulo, porque já o vimos fazer melhor. Tal como Álvaro, os indices de exibição e motivação parecem estar a melhorar.

Ricardo Ferreira ( 3 ) - Não esteve em grande destaque, no meio campo, mas é daqueles jogadores que de um momento para o outro brilha, ou faz brilhar os companheiros. Esperamos sempre grandes feitos deste jogador 

Baio ( 3 ) - Velocidade é com ele, mas nem sempre os lances saiem da melhor forma. Não se pode dizer que há falta de empenhamento, mas se fosse tácticamente mais evoluido seria um grande jogador.

Bacari ( 3,5 ) - Para já tem sido o nosso "matador". Tem o mérito de estar sempre presente lá na frente, e arrastar sempre com ele os defesas adversários.

Hélder Rodrigues ( 3 ) - Foi o jogador que causou mais "frisson" no Fontelo. Os adeptos academistas ficaram desolados e inconsoláveis com as duas perdidas do Hélder que "matariam" o jogo a favor da equipa academista, até porque coincidiram com o aumento de pressão da equipa contrária, mas mesmo no fim, galgou o meio campo adversário e com apenas o guarda-redes adversário pela frente, não perdoou. Fez as pazes com adeptos, colegas e treinador!

Filipe ( 2 ) - Entrou aos 78m para segurar os impetos atacantes da equipa de Oliveira de Frades.

Rui Santos ( 1,5 ) - Entrou mesmo com o jogo na fase terminal. Falta ritmo e nota-se algum receio de disputar alguns lances mais viris, compreensivel face ao longo periodo de afastamento e receio de nova lesão.
Ler Texto Completo